Diário de um ex-fumante: mitos e verdades sobre parar de fumar

Largar um vício é algo difícil. Eu mesmo tentei não uma, não duas, não três… Para falar a verdade, perdi a conta. Foi só quando eu resolvi que iria continuar fumando, mas que iria visitar um pneumologista periodicamente, que eu realmente consegui parar – e foi já na primeira consulta.

Meu objetivo aqui não é dar uma receita de como parar de fumar, mas sim compartilhar a minha experiência. Já conversei com outras pessoas que também pararam com o cigarro, porém nunca ouvi uma história parecida com a minha. No começo, achava que a minha era um ponto fora da curva, mas na verdade cada caso é um caso, e só quem fuma consegue descobrir qual o melhor tratamento para si próprio.

O tratamento que me fez parar de vez foi através de uma medicação chamada BUP (ou Cloridrato de Bupropiona), um antidepressivo que ajuda a diminuir a “neura” causada pela falta do cigarro. O primeiro dia oficialmente que eu não fumei foi em 01 de Agosto de 2012, três dias após iniciar o tratamento.

MITOS E VERDADES – ANO 1 (2013)

Ao completar 1 anoque havia parado de fumar, percebi algumas coisas sobre a minha saúde que acabavam ficando maquiadas pelo vício:

  • Melhora do Paladar (VERDADE!)
    Eu realmente comecei a sentir melhor o gosto dos alimentos. Aos poucos reduzi a quantidade de pimenta que eu colocava na comida (não tinha nem percebido o quanto fazia isso!) e voltei a comer coisas que eu não comia por achar “sem gosto”, como chuchu e abobrinha.
  • Mais Disposição (MITO!)
    Que me desculpemos politicamente corretos, mas a minha disposição continuou igual. A diferença é que eu não tossia a fazer algum esforço extra, como subir escadas ou correr atrás do ônibus. Mas daí a dizer que sentia mais energia para fazer as coisas, pura balela.
  • Mudanças Sociais (VERDADE!)
    Fumar é, acima de tudo, um ato social. Fumar sozinho tem lá suas aplicações (o famoso “vou pensar”, daí pega um cigarro e fica fumando na janela olhando pro nada). Mas, acima de tudo, é o acompanhante de uma cerveja gelada, de um café e de um grupo indo pra balada. Quando você para, não tem jeito, você se sente deslocado nesses grupos.
  • Engorda (VERDADE!)
    Sim, você vai ganhar um quilinhos – eu engordei 15Kg! Mas não era o cigarro que te mantinha mais magro: na verdade você redescobre sabores, explora outros círculos sociais e acaba, por fim, trocando o cigarro depois do almoço por um docinho. Faz parte, só não pode acomodar e desencanar: a obesidade é tão ruim para o corpo quanto o vício.

MITOS E VERDADES – ANO 2 (2014)

Depois de 2 anos, os primeiros sinais de melhora na saúde começaram a aparecer para mim. Eu tomei algumas atitudes drásticas: voltei a fazer exercícios regularmente, parei de consumir bebidas alcoólicas e mantive uma rotina ativa. O eu percebi nesse período:

  • A vontade nunca passa (VERDADE!)
    Infelizmente, você vai conviver alguns anos com isso. Talvez, para sempre. Aos poucos você percebe quais são os seus gatilhos, e os evita. Algumas vezes, é um café. Outras, pode ser uma pessoa. Infelizmente a vida é feita de escolhas,e você precisará fazer algumas difíceis.
  • Fumar eventualmente não faz o vício voltar (MITO!)
    Não pode, nem um cigarro. É difícil, mas se o seu objetivo é parar de fumar MESMO, não pode dar nem um trago em outro cigarro. Depois que o remédio acaba, a única coisa que te segura é a sua força de vontade. Tenha ela de sobra, porque você vai precisar.
  • Conviver com fumantes fica difícil (VERDADE!)
    Essa foi aparte mais difícil. Como se não bastassem os amigos que começam a te chamar de “chato” por ter parado, existe outro agravante: a fumaça começou a me causar tontura, náusea e dores de cabeça. Assim, só de ficar perto de alguém fumando.

MITOS E VERDADES – ANO 3 (2015)

Três anos sem fumar. Foi uma montanha russa, mas que eu aprendi a domar aos poucos. Pouca coisa mudou nos últimos meses – a única coisa realmente relevante foi:

  • Você para de tossir (VERDADE!)
    Fumantes não percebem o quanto tossem. Eu mesmo não tinha essa noção. O que eu vou falar é nojento, mas é necessário: durante esses três anos, eu tossia um catarro acinzentado. Isso foi diminuindo aos poucos, até que uma semana eu não tossi mais por causa do cigarro. Demorou 3 anos para eu parar de tossir o cigarro que eu fumei por 10 anos. Tenso.

MITOS E VERDADES – ANO 4 (2016)

Lembram nos anos anteriores em que eu falava da importância social do cigarro, e o quanto isso afetou minhas amizades? Pois então:

  • Diga adeus para alguns amigos (VERDADE!)
    É chegada a hora da verdade: você é convidado por um grupo de amigos para ir comer pizza na casa de alguém. Todo mundo fuma, menos você. A sala começa a ganhar aquela densa fumacinha na lâmpada apenas 30 min depois que todo mundo chegou. Ou você fica – e quase morre – ou vai embora.
  • O mais difícil é o cafezinho/cerveja (MITO!)
    A pior coisa que me acontece ainda é sonhar que eu estou fumando. Chego a sentir a sensação, o gosto, o prazer. Acordo desnorteado – se tivesse um maço na cabeceira, acenderia um cigarro. A neura passa em poucos minutos, mas é a mais forte. Ganha do cafezinho, da cerveja e do amigo fumante.

Todo ano eu volto aqui, neste post, e incluo novas vivências que adquiri durante esse tempo sem fumar. Se você quiser acompanhar a minha jornada, adicione essa página aos seus favoritos e volte em Agosto! =)

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *